quarta-feira, 16 de julho de 2014

Insuficiências


Sabe, eu sofro de insuficiências! Há muito tempo...

Eu sou feliz! Mas tem uma hora que eu quero ser mais feliz! E daí, eu preciso ir embora ou mudar ou jogar fora ou cantar ou correr ou fazer tudo isso.

Sabe, eu amo o mundo! E ficar num mesmo lugar muito tempo, pelo menos agora, não me sacia, não me satisfaz... Eu quero abraçar o mundo. Com as pernas, com os braços, com a boca... Eu quero o mundo todo pra mim. Minha mãe, ela sempre me disse que eu não podia abraçar o mundo com as pernas, mas andando pelo mundo eu descobri que eu posso sim! É mãe, desculpa te dizer isso, mas você está errada. Eu posso abraçar o mundo sim, e do jeito que eu quiser! E quem me disse isso foi o próprio mundo, não é fofoca e nem história da caroxinha!

Eu digo adeus agora, pro meu porto seguro, pra minha cidade, pras minhas raízes... Resolvi me transplantar para um vaso, assim eu posso ir para onde eu quiser! Eu te amo minha Brasília, mas você me deixou antes deu ir. Há muito tempo a gente já não se dá bem. Nosso amor não acabou, só mudou de cor. A terra do vasinho que hoje me guarda é do teu solo, vermelha de amor, seca de cerrado e rica em ferro para que minha árvore cresça com casca grossa, resistente e que sobreviva tranquilamente à épocas de seca.
Frequentemente minha mente viajará em suas largas ruas com falta de esquina, descansará nas sombras de suas tantas árvores e se refrescará no teu lago. Meu corpo já nem tanto te visitará, mas em algumas vezes estará presente.

Aos meus amigos, eu deixo meu amor, gratidão e perseverança! O mundo me contou também, que ele sempre dá um jeito de juntar as pessoas que se amam, que se querem bem... Ele facilita mesmo, tipo em 10x sem juros!  E eu espero encontrá-los e amá-los e cuidá-los sempre!
Meu coração é de vocês, sempre!

"Não aprendi a dizer adeus,
Mas tenho que aceitar
Que amores vem e vão,
São aves de verão.
Se tens que me deixar,
Que seja então feliz."

quarta-feira, 4 de junho de 2014

Frio na alma.


Hoje meu peito tem o peso de mil bigornas.
Tenho tempo para tudo e ao mesmo tempo, não tenho tempo.
Não sei quais são meus objetivos, não sei o que amo mais.
Tenho mil bigornas no peito e mil problemas na cabeça.
Minha respiração é pesada e dói.
Nunca achei que respirar um dia fosse doer.
Todas as vezes que pisco penso que talvez não devesse estar onde estou, fazer o que faço.
Difícil  ter o mundo nas mãos e não saber o que quer.
Difícil mesmo é sentir frio na alma.
Difícil quando a cabeça pesa, os olho fecham mas o corpo não descansa.
Difícil mesmo é coração cansado.

Hoje meu peito tem o peso de mil bigornas e eu não sei como emagrece-lo.


terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Coerência.


Trilha Sonora: http://www.youtube.com/watch?v=mllXxyHTzfg

Conversando com um amigo comecei a fazer muitas perguntas e obtive uma única resposta:
- É uma merda mesmo, um saco.

Realmente, é uma merda! Um saco!

O que? A incoerência que as pessoas vivem hoje em dia.

Pessoas que falam que querem o melhor para o país mas só fazem o melhor para si.
E o outro? E o vizinho?  E o seu amigo? Merecem menos que você? Merecem pior que você?

Vejo pessoas falando de qualidade de vida e só pensando em contracheques. E as longas caminhadas? E as fugidinhas no meio da semana? E o sorvete fora de hora? E uma balada inesperada?

Percebo pessoas com discurso de divisão que só somam e multiplicam...

Que tal achar um equilíbrio seu, abraça-lo e ser feliz com ele? Ser fiel a ele. SER COERENTE entre o que fala e faz.

Esqueçam o "Faça o que eu digo, não faça o que eu faço". Que tal sua língua e seus atos falarem o mesmo idioma?

Quem sabe assim alguém se salve no fim...

Mas de verdade? Sabe o que eu quero?

Desejar ao mundo, do fundo do meu coração, coerência e tudo de bom!


segunda-feira, 25 de novembro de 2013

20 vezes paixão.

Trilha sonora:



Nos últimos 2 meses acho que me apaixonei umas 20 vezes. Não, não foram paixonites. Paixão mesmo. Aquelas que te dão uma rasteira tão grande que você perde o ar. Pois é...

Belos olhos atrás de lindos óculos, um cara bem cheiroso, um cara bem charmoso ou então aquele que beija gostoso. 

Todos eles, sem excluir ninguém, fizeram meu coração parar.

Tiveram tantos e tantos outros... Aquele do sorriso lateral e até mesmo o garçom extremamente educado de um café que eu fui semana passada.

Meu coração disparou tantas vezes de paixão nos últimos tempos que tenho certeza que abro portas para um infarte. 

Mas prefiro infartar de paixão a ter meu coração em batimentos normais e contínuos. Porque são essas paixões e esses momentos de coração parado e coração disparado que fazem meus dias tão empolgantes e felizes. 

Nada como uma boa paixão e um café quente para curar o estresse. 

Um dia, eu já nem me lembro quando, eu falava que nunca tinha me apaixonado. 

Pois agora eu quero mesmo é me apaixonar sem parar, porque não tem nada melhor que um coração disparado, boca seca e falta de ar.

E as borboletas na barriga então...

Aaaah!





sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Amor Requentado

Trilha sonora para essa leitura: http://www.youtube.com/watch?v=2Nf0u41FApo

Um dia eu te amei. Um dia não, desculpa! Eu te amei por um tempo vai... Não sei exatamente quanto durou, mas durou o suficiente para que você ficasse tatuado na minha alma. Clichê? Acho que sim. Talvez, um pouco, muito, com certeza.

Ai! Desde você eu tô assim. Não uso as palavras direito, meu pensamento dá nós que eu não sei soltar e meu coração mudou de endereço.

Eu te amo. Não, não, eu NÃO te amo! Eu te AMEI! Ouviu? A-M-E-I! Passado de amar! Nada de vir com coisa de querer requentar amor. Nada requentado é gostoso! Ah não ser pizza e risoto... Feijoada de dia seguinte é uma coisa maravilhosa também... OK, talvez algumas coisas requentadas sejam boas, mas amor não! Amor requentado embola no fundo da panela, sabe? Daí, quando você mastiga o embolado gruda no dente e não sai nunca mais! Odeio coisas grudadas no meu dente!

Você ficou ai, com essa cara de quem não quer despedida e nem começar de novo. Você me amou. Você me amou muito. Você me amou mais que eu te amei, eu sei. Me desculpa por isso. Talvez o anel fosse grande demais pro meu dedo, tipo sapato que você quer muito comprar mas não fica bem no seu pé, sabe? Me desculpa por ter um dedo fino e um medo muito grande.

E eu? eu sigo cantando feito cigarra em dia de pouca chuva...

domingo, 7 de abril de 2013

40320

Trilha sonora indicada para este texto: http://www.youtube.com/watch?v=cCvJwMuOa1E&feature=share&list=UUpht5W2LKIdVvQfmQ0wA23g

Já fazem 40320 minutos que não te respiro.

Agora respiro velhos e quentes ares, o vento frio já não corta minha alma e me lembra que estou viva. Agora vivo abafada.

Meus cabelos secam, minha boca enrubresce, meus olhos lacrimejam.
A pele aspera, mãos por fazer, maquiagem borrada e coração quase sempre acelerado.
Coração acelerado ainda na esperança da volta. Ainda na sua esperança.

Telefone, mensagens, internet, pesamentos, desejos, orações, coração partido, meus olhos lacrimejam.

Ando por areias que já não sei se me deixam marcar onde ando. Meus passos andam superficiais e o vento os leva.

Mas em você meus pés continuam na areia. Tem um caminho que eu ainda sei onde está.
Tem areia que ainda quero voltar a colocar meus pés, talvez da próxima vez eu deixe meus pés lá...


Talvez.

sábado, 9 de fevereiro de 2013

Meu vestido, teu paletó.

Trilha Sonora indicada para esse texto: http://www.youtube.com/watch?v=GjWW2ITm7MQ

Quando levanto um pouco mais meus olhos vejo o horizonte sumir defronte a nós.

No inicio meu medo de ficar me cegava, me proibia. Agora, meu medo de ir me embriaga, me entorpece, meu corpo já não responde aos meus comandos. Meu corpo já não é um.

Quando me encontro, mão com mão, olhos nos olhos o amor me sobressai e me deixa cada vez mais aqui, agora e pra sempre em você.

Como posso ir e me deixar? Meus minutos já são nossos, meu verbo é no plural. Tão plural que conjugo no singular.

O chá quente com sorriso, a soneca com cafuné, o beijo com arrepio...
Coração batendo em uníssono, em dois únicos compassos.

Despertar com encontro de pestanas, chinelos trocados, lábios secos no beijo doce. Não quero te deixar.

Eu admito, EU GRITO:

- EU A-C-E-I-T-O! ACEITO! ACEITO!

Aceito recusar o mundo e viver você, com você, por você, nós.

Tirei a mão da cabeça e coloquei no teu rosto.

Meus lábios grudam em tuas orelhas e minha alma sussurra à tua:

"Te dei meus olhos pra tomares conta, agora conta como hei de partir."